O Marítimo da Madeira aliou-se à academia, através do M-ITI (Madeira Interactive Technologies Institute) e da Universidade da Madeira, para a criação do Marítimo Training Lab, um projecto que pretende colocar tecnologia de ponta ao serviço do futebol profissional.

O projeto tem com o objetivo reforçar a investigação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação ao nível do contexto dos fatores que determinam o treino, da avaliação da capacidade funcional, performance e da prevenção de lesões em futebolistas profissionais.

Esta iniciativa vai permitir monitorizar a resposta fisiológica no treino e na competição, para que, de uma forma preventiva, seja possível controlar as sobrecargas e, consequentemente, a identificação precoce de desequilíbrios nos padrões de resposta que aumentam substancialmente o risco de lesão; investigar e desenvolver soluções tecnológicas na área da reabilitação pós-lesão, tornando o processo mais dinâmico e motivante para os futebolistas; investigar os fatores relacionados com a resposta fisiológica e comportamentos tático-técnicos de futebolistas em exercícios de treino específicos para potenciar a performance e o rendimento desportivo.

Neste projeto de investigação participam 9 investigadores doutorados com ligação ao M-ITI (Madeira Interactive Technologies Institute), em particular aos Departamentos de Educação Física e Desporto e Engenharia Informática.

Para o presidente do Club Sport Marítimo, Carlos Pereira, este passo demonstra, uma vez mais, a cultura de trabalho instalada na instituição, que busca incessantemente a inovação.

«Este é um projecto muito importante para o Marítimo, porque, no fundo, nos vai dar dados e ferramentas para lidarmos mais eficazmente com os nossos activos, que são os jogadores, reduzindo os tempos de recuperação ou antecipando eventuais problemas que possam surgir», vincou o líder verde-rubro.

Além do presidente Carlos Pereira, marcaram presença na cerimónia de apresentação do Marítimo Training Lab o Secretário Regional da Educação, Jorge Carvalho, o reitor da Universidade da Madeira, Jorge Carmo, e o professor Élvio Gouveia, um dos responsáveis pelo projecto.