Últimas Notícias
  1. Goleada abrilhanta a estreia
  2. Taekwondo verde-rubro medalhado
  3. Fernando Andrade no «Marítimo na TSF»
  4. Pelágio titular na equipa mais jovem da Liga
  5. Primeira parte fantástica vale 5.º posto

HISTÓRIA DO CLUB SPORT MARÍTIMO

CSM - Prancheta 2 cópia - logos
CSM - Prancheta 2 - logos
1885
Futebol pela primeira vez em Portugal
Pratica-se futebol pela primeira vez em Portugal, na Madeira no Largo da Achada na freguesia da Camacha. Por obra e vontade do Jovem Harry Hinton. Este rapaz estudava em Londres e trouxe consigo a primeira bola de Futebol para Portugal. A família Hinton habitualmente fazia férias na quinta da Achadinha, ao lado do largo da Achada e é neste largo que se joga futebol pela primeira vez. Familiares do dono da bola, ingleses e alguns elitistas praticavam pela primeira vez o futebol em Portugal.
1900
Chicago é o primeiro dono de uma bola de futebol
Por estes anos e depois do nosso povo só ver jogar, há um enorme interesse das nossas gentes pela prática do futebol. João Viveiros, mais conhecido por Chicago é o primeiro proprietário de uma bola de futebol. Homem das classes marítimas e passa a alugar aos grupos que se organizavam para jogar à bola pelo valor de 10 reis.
1905
Enorme vontade das classes marítimas
Há uma enorme vontade das classes marítimas que viviam pela zona velha da cidade ou na freguesia de Santa Maria Maior a vencer os magnatas, ou seja, aqueles que viviam para além do largo do pelourinho e que na sua maioria eram elitistas.
1908
Existência de um Club Português de Sport Marítimo
Começa-se a formar equipas entre tripulações dos barcos que atracavam no porto do funchal, mas os Madeirenses apenas assistiam, não tendo qualquer acesso ao jogo, em especial porque não havia bolas. Há já rumores da existência de um club Português de Sport Marítimo, segundo relatos da altura, elementos que vão estar na fundação do C. S. Marítimo, alinharam por este projecto dada as características das classes Marítimas.
1910
Fundação do Club Sport Marítimo
A 20 de Setembro de 1910 – É fundado o Club Sport Marítimo. Candinho, sócio número um desta colectividade, rodeia-se dos elementos que se tinham empenhado nos primeiros passos do futebol dos marítimos, e no estabelecimento que possuía na zona velha da cidade. O bar do Aurora é o local escolhido para as primeiras reuniões. Este bar era propriedade de Candinho, ou seja de Cândido Gouveia que vai ser o sócio fundador do Maior das Ilhas. Assim nascia o Marítimo, para representar não só as classes marítimas mas também, para publicitar a nova república que, também ela, apadrinhava as cores do Leão do Almirante Reis. O primeiro emblema do glorioso C. S. Marítimo é uma bola de futebol, com estandarte e respectivas inicias - CSM, uma âncora, o leme e um remo, ou seja, tudo o que tinha a ver com o mar. Não fosse este jovem clube, uma equipa de marítimos. Emblema que se vai manter até 1916. Para os primeiros jogos usou-se uma faixa verde e outra vermelha para distinguir uma equipa da outra, jogando entre nós. Para a primeira direcção: Sócio fundador nº 1 Cândido Gouveia (Candinho) – Presidente – Joaquim Pontes (ventania) – João Rodrigues (minha – velha) Vice presidente, Venâncio de Freitas – tesoureiro, José Olavo Rodrigues - Secretário. João da Costa (meliça) – capitão geral. Todos ligados ao mar.
1911
Travessa do Pimenta, nº 14
Primeira sede do Marítimo – Travessa do Pimenta, nº 14
1912
Primeira digressão a Lisboa a convite de Cosme Damião
Primeira digressão a Lisboa. A convite de Cosme Damião, responsável pelo Sport Lisboa e Benfica ao ouvir falar da jovem equipa de Marítimos, sobretudo da qualidade dos seus atletas, convida o Marítimo para uma digressão até a capital Portuguesa – a primeira vez que o nosso Clube sai da Madeira.
1913
Marítimo aumenta a fama
O Marítimo aumenta a sua fama e recebe novo convite para novos jogos na capital – Os responsáveis verde-rubros logo disseram sim e viajaram no navio São Miguel.
1914
Ano mau para o Club Sport Marítimo
Este é um ano muito mau para o Club Sport Marítimo, o início da primeira guerra mundial, a crise económica do país e vários problemas sobretudo económicos, levam o clube a estar na eminência de fechar portas. Valeu que Gonçalo Zacarias de Ornelas, homem bem visto na sociedade Funchalense, vai reunir forças junto das classes marítimas, donativos e uma nova equipa directiva. Sobre a liderança deste homem de extrema importância na nossa história, vão conduzir o glorioso para uma nova estabilidade. Apesar das dificuldades o Marítimo faz a sua primeira digressão internacional - Canárias
1916
Fundação Associação de Futebol do Funchal
Com Gonçalo Zacarias de Ornelas a representar o Marítimo, juntamento com outros clubes locais funda-se a então Associação de Futebol do Funchal. É também neste ano que o Marítimo altera o seu emblema, mantendo parte do anterior e colocando o leão a dominar uma bola. Isto para contradizer o rival da altura, o C. S. Madeira que para além de nos contradizer com as suas cores da monarquia, também tinha um emblema com uma águia. Isto incomodava os marítimos que logo acrescentaram um leão no seu símbolo principal.
1917
Primeiro Troféu
É o fim do primeiro campeonato da madeira, organizado pela A. F. Funchal – como não podia deixar de ser devido a nossa grandeza, este primeiro troféu foi morar para o Almirante Reis.
1921
Ciclo Vitorioso
O Marítimo inicia um ciclo vitorioso no campeonato da Madeira com 6 títulos consecutivos.
1922
Vitória de 6-3 ao S.L.Benfica
Visita do Benfica à Madeira e vitória verde-rubra no Almirante Reis, por 6-3.
1923
Representa a Madeira por 5 vezes
O Marítimo inicia um ciclo novo ao representar a Madeira por 5 vezes consecutivas no campeonato de Portugal, como consequência dos triunfos no campeonato Regional.
1924
Nova sede na Rua 5 de Outubro
O Marítimo inaugura a sua nova sede – Rua 5 de Outubro – Melhores instalações e espaço para a prática de modalidades, estão na origem da criação deste novo espaço.
1924
Colégio do Marítimo
Inauguração do primeiro colégio do Marítimo na Rua de Santa Maria nº 126
1926
Campeão de Portugal
Campeão de Portugal! O Sonho tornou-se realidade e o Marítimo torna-se Campeão de Portugal, vencendo ao União no jogo de apuramento por 2-1, ganhando em Lisboa ao F.C. Porto por 7-1 e triunfando frente ao Belenenses, no campo do Ameal, no Porto, por 2-0. Este foi o primeiro troféu e mais emblemático a nível nacional.

Em 1927 O Nacional concluiu o projecto do primeiro estádio dos Barreiros , começa aqui a “guerra” de convencer a associação de futebol da Madeira a disputar os principais jogos neste novo palco em detrimento do almirante reis.

1933
Marítimo não concorda
O Nacional cria o primeiro espaço nos Barreiros, criando ali o seu campo. Alugou o espaço à Associação para os jogos do Campeonato da Madeira e outras provas, tendo o Marítimo não concordado com a decisão de ir jogar para os Barreiros. Na decisão verde-rubra estava o facto, de a sua naturalidade ser o almirante reis e continuar a estar perto do seu público. Uma guerra que vai fazer com que o Marítimo não pratique futebol nesta temporada, praticando outras modalidades com várias conquistas nas mesmas.
1935
Bodas de Prata
O Marítimo celebra as suas bodas de prata com actividades e um jantar de gala no Hotel Monte Palace.
1936
Campeão agora nos Barreiros
O Marítimo é campeão, agora nos Barreiros, tendo a sua direcção decidido aceitar jogar no referido local.
1940
FPF impede clubes das Ilhas
Os clubes da Madeira deixam de ter acesso ao campeonato de Portugal. Em 1942, o Marítimo vê a FPF impedir os clubes das Ilhas a participar na Taça de Portugal.
1945
Novo ciclo
Um novo ciclo com grandes equipas – Caminhada triunfal para a conquista de adeptos e aclamação de uma potência do futebol nacional.
1948
Volta a participar na Taça de Portugal
O Marítimo volta a participar numa prova Nacional, neste caso particular, a Taça de Portugal.
1950
Grande digressão ao Continente Africano
Grande digressão ao Continente Africano – Angola e Moçambique foram as terras por onde o Maior das Ilhas passou, para vários jogos. Serão 70 dias fora da Madeira. Ser o “Maior de Portugal” em terras ultramarinas e fazer matar saudades, àqueles que um dia, saíram da sua terra para aquelas terras africanas, eram os principais objectivos da caravana verde-rubra. Na chegada da equipa ao Funchal com 12 vitórias na bagagem e apenas uma derrota, o povo veio para a rua festejar e aclamar o “Maior das Ilhas”, depois da conquista do campeonato de Portugal, esta foi a segunda grande festa do glorioso C. S. Marítimo. Na festa, na chegada dos jogadores, cantou-se pela primeira vez a velha marcha: “lá vem, lá vem, os nossos “maravilhas”, os endiabrados campeões das Ilhas…”. Destaque para o Padre Telésforo Afonso, que pede licença ao Bispo para chefiar a comitiva Maritimista.
1951
Marítimo traz colonos para a Madeira
Num autêntico serviço público o Marítimo traz a Madeira os colonos de Sá da Bandeira – madeirenses que já não vinham há muitos anos á sua terra Natal.
1956
Construção do Campo Imaculada Conceição
Aquisição dos terrenos em Santo António para a construção do Campo Imaculada Conceição. O Marítimo recebe o título de Cavaleiro da ordem de Cristo.
1958
Primeiro autocarro com o emblema
O Marítimo adquire o seu primeiro autocarro para o serviço da colectividade e personalizado com o emblema do CSM.
1960
Bodas de Ouro
Bodas de Ouro e uma monumental exposição dos troféus conquistados ao longo dos 50 anos.
1960
Marítimo elimina o Leixões
O Marítimo elimina o Leixões da Taça de Portugal, uma proeza para altura visto que a turma leixonense tinha uma poderosa equipa, conhecida pelos bebés. Neste mesmo ano o Glorioso faz uma grande digressão aos estados unidos da América.
1971
Membro honroso
Membro honroso da ordem de benemerência.
1973
Adeus ao futebol regional
Na época 1972/1973, o Marítimo é campeão da Madeira e diz “adeus” ao futebol regional, a federação reconhece os direitos ao campeão regional em participar nos nacionais e por força da orgânica federativa o Marítimo, é convidado a entrar directamente na segunda divisão Zona Sul.
1974
5º Lugar da Zona Sul
O Marítimo concluía a sua primeira época a nível nacional, ocupando o 5º Lugar da Zona Sul deste campeonato nacional da 2ª divisão.
1975
Digressão à Venezuela.
Primeira digressão à Venezuela.
1977
Mais de 20 mil pessoas realizaram o sonho
A 15 Maio de 1997 – Os barreiros rebentara pelas costuras, mais de 20 mil pessoas realizaram o sonho de fazer subir o campeão das ilhas ao escalão maior do futebol português. O sonho de conviver com os grandes, torna-se uma realidade. Presidente – Dr. Miguel Mendonça, treinador Pedro Gomes.
1978
Marítimo consegue manutenção
O Marítimo consegue o objectivo da manutenção, alcançando o 12º lugar da geral.
1981
4 temporadas na primeira divisão
O Marítimo permanece 4 temporadas na primeira divisão, mas na época 1980/1981, a equipa ficou classificada na 15º posição, descendo assim à segunda divisão.
1982
De regresso à segunda divisão
De regresso à segunda divisão, os dirigentes verdes-rubros, lutam com uma massa associativa entusiasmante e conseguem alcançar o primeiro lugar, voltando assim à primeira categoria nacional.
1983
Nova descida
Nova descida de divisão, num 14º lugar.
1985
Primeiro lugar da classificação
O Marítimo alcança o primeiro lugar da classificação, A consolidação na primeira divisão era mais que importante, daí o trabalho nesse sentido e a todos os níveis.
1987
Relvado do Campo da Imaculada Conceição
Atendendo à necessidade de um relvado natural para treinos, o Marítimo inaugura o relvado do Campo da Imaculada Conceição que em muito tem ajudado as nossas equipas.
1992
5º Lugar e Sonho Europeu
Depois de assegurar várias manutenções na primeira divisão, o Marítimo atinge o Sonho Europeu, ficando em 5ª lugar da classificação, com presidência de Rui Fontes e com o Treinador Paulo Autuori. A Madeira está na ribalta da Europa.
1993
Baptismo Europeu
A 15 de Setembro deste ano na Bélgica, frente ao Antuérpia, os maritimistas fazem o seu baptismo europeu.
1994
Marítimo cai aos pés da “Velha Senhora”
Nova ida à Europa, desta feita jogando com o Arau na Suíça, empatando a zero e vencendo no Funchal com um golo de Paulo Alves. Na segunda eliminatória, o Marítimo cai aos pés da “Velha Senhora” – Juventus de Turim – resultados 0-1, 2-1
1995
Final no Jamor
Ao vencer na meia-final com o golo de Alex Bumbury, o Marítimo atinge pela primeira vez a grande final do Jamor – perdendo 2-0 com o Sporting.
1997
Tomada de posse de Carlos Pereira
O Marítimo vive uma das suas maiores crises financeiras de sempre. A imposição de uma sociedade desportiva por banda do Governo Regional da Madeira e a não-aceitação por parte dos adeptos do Marítimo levam o clube a mergulhar numa crise. Tomada de posse de Carlos Pereira que ajudado por Berardo, Luís Miguel de Sousa e Jorge de Sá vão impedir uma decadência a todos os níveis do velho campeão de Portugal.
1998
Estabilidade financeira
Ano de estabilidade financeira e consolidação desportiva, sobre a liderança de Carlos Pereira, em que o prémio do trabalho deste, foi um belo 5ª lugar na tabela classificativa e o regresso às competições europeias.
1998
Vitória sobre o Leeds
Presença europeia vencendo o Leeds de Inglaterra nos Barreiros, por 1-0, perdendo na capital londrina por 1-0 – nas grandes penalidades perdemos
1999
Criação da Equipa B
Criação da equipa B, Fundação do Marítimo da Madeira Futebol SAD, sociedade com o Governo Regional da Madeira, para gerir o futebol profissional do Marítimo. 13.09.1999
2001
Finalista da Taça de Portugal
O Marítimo volta a ser finalista da Taça de Portugal, agora frente ao Porto, vitória dos dragões por 2-0.
2002
Presença Europeia com vitórias
Presença Europeia com vitórias em casa e fora, frente ao Sarajevo, 1-0 e 0-1. Vitória frente ao Leeds em casa 1-0 e derrota por 3-0 em Londres.
2004
Complexo desportivo de Santo António
Inauguração da primeira fase do complexo desportivo de Santo António.
2004
Presença Europeia
Presença Europeia com vitória caseira com o Rangers por 1-0 e derrota 1-0 na Escócia – perdemos nas grandes penalidades.
2008
2º fase do Complexo Desportivo do Marítimo
Inauguração da 2º fase do Complexo Desportivo do Marítimo, Colégio, Lar e Centro de Estágio e outras infraestruturas de apoio. Presença Europeia com derrotas frente ao Valência por 0-1, nos Barreiros e por 2-1, em Espanha.
2010
100 Anos de Vida
100 anos de vida festejado com muitas actividades, Missa Presidida pelo Bispo do Funchal e concelebrada por vários sacerdotes adeptos do Marítimo. Jantar de gala no Madeira Tecnopolo com 3000 Pessoas. Inauguração da Capela Marítimo Centenário – 8.12.2010 Presença Europeia com vitórias: Marítimo 3 Fingal 2, Fingal 2 Marítimo 3; Marítimo 8 Bangor CitY 2, Bangor City 1 Marítimo 2; Bate Borisov 3 Marítimo 0 e Marítimo 1 Bate Borisov 2.
2012
Presença Europeia
Presença Europeia: Asteras 1 Marítimo 1/ Marítimo 1 Asteras 0 / Marítimo 1 Dila Gori 0 / Dila Gori 0 Marítimo 2 Fase de Grupos: Marítimo 0 Newcastle 0 / Newcastle 1 Marítimo 1 / Marítimo 1 Bordéus 1 / Bordéus 1 Marítimo 0 / Brugge 2 Marítimo 0 / Marítimo 2 Brugge 1
2015
Finalista da Taça da Liga
Finalista da Taça da Liga com o Benfica – estádio Cidade de Coimbra – Perdemos por 2-1. Treinador Ivo Vieira
2016
Finalista da Taça da Liga
Finalista da Taça da Liga com o Benfica. Perdemos 6-2 – Treinador Nelo Vingada
2017
Presença Europeia
Presença Europeia: Botev 0 Marítimo 0 / Marítimo 2 Botev 0 / Marítimo 0 Dínamo de Kiev 0 / Dínamo de Kiev 3 Marítimo 1
2018
Liga Revelação / Liga Feminina
O Club Sport Marítimo cria mais duas equipas para competir na Estreia na Liga revelação de Sub 23 e na Liga Feminina de futebol – Liga BPI.
Ir para o topo